BMMT11: Entenda como Funciona o ETF Quantitativo do Bradesco

BMMT11

6 de agosto de 2023

Ícone de Compartilhamento

Lançado em 2023 pelo Bradesco, o BMMT11 é um ETF que busca replicar o Índice Morningstar Brazil Target Momentum. O fundo aposta em uma gestão passiva, com algumas características de um fundo ativo.

Sua carteira tem como característica:

  • Estratégia quantitativa e fatorial: focada em empresas que exibem indicadores de desempenho e lucratividade recentes e positivos.
  • Diversificação: sua carteira é composta por uma variedade de ações que representam diferentes setores da economia brasileira, proporcionando aos investidores uma ampla gama de oportunidades em empresas bem posicionadas.

Características e Detalhes do BMMT11

Lançamento14/02/2023
Índice de referênciaMorningstar Brazil Target Momentum
Taxa de administração0,3% ao ano
GestorBradesco
CustodianteBradesco
AdministradorBradesco
Código na B3BMMT11
Código ISINBRBMMTCTF006
Fonte: Bradesco

Composição do BMMT11

Top 10 Empresas do Fundo

TickerEmpresaParticipação
SUZB3Suzano5,2%
CMIG4CEMIG4,9%
BBSE3BB Seguridade4,9%
PETR4Petrobras4,9%
AURE3Auren Energia4,8%
ITSA4Itausa4,8%
ALSO3Aliansce4,7%
PRIO3PetroRio4,7%
ONCO3Oncoclinicas4,7%
GOAU4Gerdau4,6%
Fonte: Bradesco e Gestivas

Essas empresas representam aproximadamente metade dos recursos do ETF.

Descrição das Maiores Empresas do Fundo

  • Suzano: Uma das maiores produtoras de papel e celulose do mundo. A empresa pode se beneficiar de um cenário de alta nos preços da celulose. Entretanto, é sensível a oscilações cambiais e à dinâmica da demanda mundial de celulose.
  • CEMIG (Companhia Energética de Minas Gerais): Uma das principais empresas do setor elétrico brasileiro. Dependendo do momento, pode ser afetada por fatores como chuvas, regulações e tarifas estabelecidas pelo governo.
  • BB Seguridade: Relacionada ao Banco do Brasil, atua no segmento de seguros. Tem mostrado resultados sólidos e distribui bons dividendos. Dependente do ambiente econômico brasileiro e da demanda por seguros.
  • Petrobras: Gigante do setor de petróleo e gás. É uma empresa muito influenciada por fatores externos, como o preço do petróleo no mercado internacional e políticas governamentais, dada a sua importância estratégica para o Brasil.
  • Itausa: Holding que controla o Itaú Unibanco e outras empresas. Tradicionalmente, apresenta uma boa distribuição de dividendos e é uma maneira de se expor ao setor bancário brasileiro.
  • Aliansce: Uma das principais empresas do setor de shopping centers no Brasil. Depende muito do consumo interno e da saúde econômica da população.
  • PetroRio: Empresa do setor de petróleo e gás, com foco em produção. Tem uma estratégia de aquisição de campos maduros e aumento de eficiência.
  • Oncoclinicas: Atua no setor de saúde, especificamente em tratamentos oncológicos. O setor de saúde pode ser considerado defensivo, mas é crucial entender as dinâmicas específicas da empresa.
  • Gerdau: Multinacional brasileira do setor siderúrgico. Sensível a fatores como o preço do aço no mercado internacional e demanda de setores como construção civil e indústria.

Principais Setores da Carteira

Ao analisarmos todas as empresas do fundo, elencamos os 3 maiores setores de exposição do BMMT11:

  1. Setor Energético
  2. Setor Financeiro
  3. Setor Industrial

Essa concentração nesses 3 setores ilustra o comportamento “value stock” desse ETF: foco em empresas mais consolidadas, com menor potencial de crescimento e bons indicadores de saúde financeira.

Métricas de Desempenho do ETF

Seguindo a metodologia da Morningstar Indexes, podemos classificar o desempenho dos últimos 5 anos desse ETF com as seguintes características:

  • Perfil do ETF: Composto por grandes empresas já consolidadas no mercado brasileiro
  • Rentabilidade: Média
  • Volatilidade: Média para alta
  • Liquidez: Alta

Rentabilidade Histórica

Como o ETF foi lançado em 2023, não há uma quantidade de dados muito relevante para analisarmos a performance passada do ativo.

Contudo, como o índice de referência do BMMT11 foi lançado há alguns anos, podemos utilizar ele para ilustrar como seria a performance desse fundo nos anos anteriores:

Ano201420152016201720182019202020212022
Valorização-2,6%-1,6%17,6%40,8%18,9%58,7%7,4%-3,3%4,4%
Fonte: Morningstar

Representação gráfica

Acima, temos um gráfico waterfall, que compara a variação de valorização ou desvalorização em um determinado ano.

O histórico dos últimos anos é altamente positivo, com altas consideráveis nos ciclos de crescimento da bolsa e retrações conservadoras nos anos ruins.

Política de Investimento

A política de investimento do BMMT11 é singular. O fundo busca obter rentabilidade que imite a variação do Índice Morningstar® Brazil Target Momentum. Assim, a composição de sua carteira é feita de maneira que 95% dos seus recursos sejam investidos em ativos financeiros diretamente relacionados ou sintetizados através de derivativos ao índice de referência.

Caso também tenha interesse em investir no agronegócio brasileiro, conheça o BBOI11, o ETF do Boi Gordo.

Público-Alvo e Regras de Movimentação

O BMMT11 é destinado a um amplo leque de investidores, que inclui:

  • Pessoas físicas
  • Pessoas jurídicas
  • Fundos de investimento
  • Outros, como EAPC, EFPC, RPPS e Seguradoras, tanto locais como estrangeiros.

No mercado primário, as aplicações (ou seja, a compra de cotas) ou resgates de cotas podem ser realizados através de Agentes Autorizados, desde que respeitados os lotes mínimos do fundo de 50.000 cotas.

Análise do Investimento

Antes de discutirmos essa seção, vale ressaltar que esse conteúdo tem caráter informativo e não deveria ser considerado como uma recomendação de investimento.

Ao analisarmos o histórico do BMMT11 e sua composição atual, há traços evidentes:

  • Diversificação de Setores: A carteira apresenta uma boa diversificação setorial, abrangendo desde commodities (como papel e celulose, petróleo e aço) até serviços (como seguros e saúde). Isso pode ajudar a mitigar riscos associados a eventos negativos em um setor específico.
  • Exposição a Commodities: Há uma presença significativa de empresas ligadas a commodities, como Suzano, Petrobras, PetroRio e Gerdau. Isso pode tornar a carteira sensível a variações nos preços globais desses produtos e a fatores cambiais.
  • Exposição ao Mercado Interno: Com empresas como Aliansce e Oncoclinicas, a carteira tem uma exposição ao consumo e ao bem-estar econômico interno do Brasil. Se a economia brasileira estiver em expansão e o consumo interno crescer, isso pode beneficiar essas posições.
  • Riscos Regulatórios e Governamentais: Empresas como CEMIG e Petrobras, de setores altamente regulados e com histórico de intervenção governamental, introduzem um certo nível de risco político e regulatório à carteira.

Conclusão

Resumindo, o BMMT11 é um instrumento de investimento interessante para aqueles que desejam diversificar seus portfólios e capitalizar sobre o potencial do mercado de ações brasileiro. O histórico é positivo e indica solidez nos fundamentos do índice de referência do ETF.

Contudo, como todo investimento, é importante o investidor ponderar seu apetite ao risco e sua estratégia de investimentos de maneira holística. Caso necessário, procure um consultor de investimentos.

Caso queira aprender mais sobre ETFs, conheça o NDIV11, o primeiro ETF da Bolsa a distribuir dividendos!

O que você achou deste artigo?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 8

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Compartilhe:

Tags: